Raven – Screaming Murder Death from Above: Live in Aalborg

SPV/Shinigami | Nacional | 2019

Foto: Divulgação

Raven – Screaming Murder Death from Above: Live in Aalborg

Por Daniel Dutra | Fotos: Divulgação

Depois de 45 anos de carreira, o Raven sempre vai ter um problema ao lançar algum disco ao vivo: as comparações com Live at the Inferno (1984), principalmente, e Destroy All Monsters/Live in Japan (1996). São discos que o tempo se encarregou de considerar clássicos, então Screaming Murder Death from Above: Live in Aalborg já nasce tendo muito a provar, principalmente porque não foi um lançamento planejado, digamos assim. Os irmãos John (baixo e vocal) e Mark Gallagher (guitarra), agora acompanhados pelo batera Mike Heller (Fear Factory e Malignancy), subiram ao palco do Skråen, na cidade dinamarquesa, no dia 27 de novembro de 2017, apenas para fazer o que sabem fazer melhor: um baita show de heavy metal. Mas o show foi gravado, os caras gostaram, então…

“(…) Percebemos que, apesar de alguns pequenos problemas técnicos, tínhamos uma gravação ao vivo mágica nas mãos. Foi um concerto quase perfeito graças a ótima atmosfera na casa e nossa atitude fora de controle, uma vez que não sabíamos que estávamos sendo gravados”, disse John no press release. Curiosamente, reside aí um problema, porque o disco não faz jus ao que é um show do Raven – quem já viu sabe do que estou falando –, por mais que a atitude tenha sido espontânea. A gravação crua, sem uma grande produção, também não ajuda ao esconder o peso que o trio impõe ao repertório. Dá parta sentir isso logo de cara, com Destroy All Monsters, do álbum mais recente, ExtermiNation (2015), uma daquelas canções ideias para dar partida num show.

O 13º disco da banda inglesa contribui com mais uma faixa, Tank Treads (The Blood Runs Red), que mostra por que o trabalho foi um dos melhores lançamentos de heavy metal naquele ano. E ainda ajuda a colocar o trem nos trilhos depois de um desnecessário solo de guitarra, A.N.S.M.M.G.N., e também, veja só você, de um clássico. Rock Until You Drop – faixa-título do álbum de estreia, lançado em 1981 – perde um pouco do gás com algumas enrolações, como aquele lance de colocar a plateia para repetir corinho. Uma coisa é botar o público para cantar o refrão, porque esse tem de cantar mesmo, mas num CD isso se torna maçante, principalmente quando os 55 minutos de duração poderiam ter sido mais bem aproveitados.


Mas estamos falando do Raven, um dos grandes nomes da NWOBHM, e apesar de a banda dos Gallagher ainda merecer muito mais reconhecimento, não faltam clássicos. Rock Until You Drop cede mais uma canção, Hell Patrol, um lindo encontro do heavy metal com o rock’n’roll que, por causa de seu riff sensacional, mostra como Mark é igualmente um subestimado. Quer mais uma grande performance do guitarrista? Ouça o furacão chamado Hung, Drawn and Quartered, com várias texturas de guitarra, o que é mais louvável por se tratar de um registro ao vivo. A música é uma das três de All for One (1983), que cedeu ainda o hino que é a sua faixa-título e Break the Chain, joia que serve também para a banda se divertir enxertando trechos de War Pigs e Sympton of the Universe, do Black Sabbath, e It’s a Long Way to the Top (If You Wanna Rock ‘n’ Roll), do AC/DC – ressalte-se que John continua o ótimo baixista de sempre, além do seu jeito todo particular de cantar, e que Heller mata a pau, tranquilizando banda e fãs depois da saída de Joe Hasselvander, por motivos de saída.

Para completar o curto repertório – apenas dez músicas, excluindo o solo de Mark –, temos o arrasa-quarteirão Faster Than the Speed of Light, de Wiped Out (1982), seguido sem sair de cima pela maravilhosa On and on, do injustiçado Stay Hard (1985). As duas formam o melhor momento de Screaming Murder Death from Above: Live in Aalborg, cujo desfecho é com mais um petardo, Crash Bang Wallop, do homônimo EP lançado em 1982. Com um repertório que passeia pelos quatro primeiros anos de sua discografia, de 1981 a 1985, até chegar ao trabalho mais recente, o Raven lançou um ao vivo para ficar bonito tanto na coleção do fã quanto na do banger que está descobrindo o trio agora. Mas que, a rigor, serve mais para dar vontade de conferir o show ‘in loco’.

Faixas
1. Destroy All Monsters
2. Hell Patrol
3. All for One
4. Hung, Drawn and Quartered
5. Rock Until You Drop
6. A.A.N.S.M.M.G.N.
7. Tank Treads (The Blood Runs Red)
8. Faster Than the Speed of Light
9. On and on
10. Break the Chain
11. Crash Bang Wallop

Banda
John Gallagher – baixo e vocal
Mark Gallagher – guitarra
Mike Heller – bateria

Lançamento: 18/01/2019

Mixagem: Mike Heller

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *