Sobre

Foto: Montagem/Ilustração

Jornalista formado em 1997 pelas Faculdades Integradas Hélio Alonso (Facha), com passagem por assessoria de imprensa (Cia. Docas do Rio de Janeiro, como estagiário), experiência em comunicação interna empresarial (Ipiranga e Petrobras), redações de esporte na internet (Lancenet!, GloboNews.com, Globo Online e GloboEsporte.com) e jornalismo musical (no tabloide International Magazine e nas revistas Roadie Crew e Disconnected, nesta como sócio, jornalista responsável e editor-chefe). Algumas das funções exercidas ao longo dos anos: repórter, redator, revisor, chefe de reportagem e editor.

O texto acima é a minha apresentação no LinkedIn, mas o Resenhando é mais do que a ideia de um portfólio online. É mais do que um grande arquivo do material produzido ao longo de 20 anos – e contando… É o arquivo de uma paixão. Nada do que foi produzido para o encarte especial da edição do Lance! que celebrou o título mundial de Gustavo Kuerten em 2000. Nada de matérias institucionais escritas para publicações específicas. Nenhum material que não seja, de alguma forma, relacionado à música.

Música que começou a se tornar parte da minha vida quando eu tinha cinco ou seis anos. Graças ao meu pai, um ávido colecionador de LPs e grande fã, necessariamente nesta ordem, de Beatles, Elvis Presley, Led Zeppelin e Rolling Stones. Curiosamente, nem mesmo o laço afetivo me fez gostar de Mick Jagger, Keith Richard e companhia. Mas este mesmo laço afetivo faz com que o compacto Emotional Rescue, uma das peças que conseguir salvar de sua coleção, tenha um valor inestimável.

E foi meu pai quem definitivamente me colocou no caminho certo. Fiquei hipnotizado quando assisti ao videoclipe de Shandi num programa chamado Super Special, da TV Bandeirantes, nos primeiros meses de 1983. No dia seguinte, ganhei o Creatures of the Night, o álbum mais recente do KISS, aquela banda com quatro caras maquiados e que pareciam super-heróis – Ace Frehley e Peter Criss já haviam sido substituídos por Vinnie Vincent e Eric Carr, respectivamente, mas isso era apenas um detalhe para um garoto de nove anos de idade. O estrago já estava feito.

Como jornalista, escrevi sobre o assunto durante dois anos e meio para o International Magazine, e foi para o tabloide que fiz a minha primeira entrevista com um músico, em 2002. Dois, na verdade: Edu Falaschi e Aquiles Priester – à época, ambos no Angra. Durante quase dois anos, entre 2003 a 2004, tive um site chamado Disconnected, que virou revista por um breve período em 2005. E sou colaborador da Roadie Crew desde 2013, quando fui convidado para cobrir o Rock in Rio daquele ano.

Começou assim uma história que em 2018 entra no seu quinto ano. Até o momento em que escrevo estas linhas, em fevereiro de 2018, foram seis Playlists, 11 Blind Ears e mais de cem entrevistas feitas apenas para a revista. Fora coberturas de shows e festivais, resenhas de CDs e DVDs e artigos especiais. Foi o estalo que faltava para revirar o baú e dar vida ao material antigo. À exceção do que foi publicado na Roadie Crew impressa, o Resenhando será uma viagem no tempo, com o material publicado em ordem cronológica. Portanto, aperte o cinto e boa viagem!

Obrigado,
Daniel Dutra