Dee Snider – For the Love of Metal

Napalm/Hellion | Nacional | 2018

Foto: Divulgação

Dee Snider – For the Love of Metal

Por Daniel Dutra | Fotos: Divulgação

É compreensível que We Are the Ones (2016) tenha incomodado tanto os fãs de Dee Snider. Esperava-se que o primeiro disco do solo do vocalista depois do fim definitivo do Twisted Sister fosse na linha de Never Let the Bastards Wear You Down (2000); talvez algo na veia do Widowmaker, independentemente se mais tradicional como Blood and Bullets (1992) ou moderno (para a época) como Stand By for Pain (1994); de repente um resgate do infelizmente esquecido Desperado; ou até mesmo um álbum na praia da sua ex-banda. Mas não foi, e ele avisou que não seria – e convenhamos: apesar da desnecessária releitura de We’re Not Gonna Take it, não estamos falando de um CD que o gato cheira e joga terra em cima.

Enfim, se os fãs queriam heavy metal, então foi isso que eles ganharam, porque For the Love of Metal é o melhor disco de heavy metal de 2018. Curiosamente, um trabalho que conta apenas com a grife do vocalista, uma vez que todas as composições giram em torno de outros três nomes: o vocalista do Hatebreed, Jamey Jasta, que produziu o trabalho; o baterista Nicky Bellmore (Toxic Holocaust), coprodutor e responsável pela mixagem; e o guitarrista e baixista Charlie Bellmore, integrante do Kingdom of Sorrow ao lado do próprio e do irmão Nicky. Ou seja, uma nova experiência para Snider, acostumado a compor as músicas e escrever as letras basicamente sozinho. Assim, o que ele fez? Deixou o som do trio ainda mais poderoso com sua personalidade e uma performance avassaladora.


Pegue Lies Are a Business, que abre o CD: começa rápida e termina cadenciada, e no meio de tudo isso há riffs em profusão. Mais do que isso, dá para escutá-la imaginando Snider ensandecido em cima do palco. Assim como na maravilhosa Tomorrow’s No Concern, feita para machucar pescoços e cantar o refrão com os punhos para cima. Os caras acertaram tanto a mão na hora de compor que a letra de I Am the Hurricane, exatamente na ponte para o refrão, tem um “I am a force of nature” que é cara de Dee Snider, um dos maiores frontmen da história do rock – e ótimo vocalista, é bom ressaltar para os desavisados.

Se você está se perguntando se a pegada aqui é mais moderna, por causa do time que criou as canções, saiba que é isso mesmo. Mask carrega esses elementos para além da produção (repare no refrão), e The Hardest Way, com a participação de Howard Jones (Light the Torch, ex- Killswitch Engage), é o principal exemplo. No entanto, o pula-pula no fim de American Made não é nada que o próprio Twisted Sister não tenha feito um sem-número de vezes, assim como a levada contagiante e a pegada nervosa de Roll Over You (que riff!) e de Running Mazes sempre foram uma referência na carreira de Snider.

Esse apelo a uma nova geração, digamos assim, está na participação de Alissa White-Gluz (Arch Enemy) em Dead Hearts (Love Thy Enemy), que começa acústica, com a vocalista cantando limpo, e depois vira heavy metal de primeira grandeza – e a combinação das vozes de Alissa e Snider ficou muito, muito boa. Ou seja, não há nada a temer. Além de tudo isso, se o fã quiser metal dos anos 80, I’m Ready está aqui para agradá-lo; se quiser reviver aquele lado mais acessível e hard rock do Twisted Sister, Become the Storm tem jeitão de hit e um dos melhores refrãos do álbum; e se quiser um hino, então pode ficar com a faixa-título. Pesada, melódica e também moderna, For the Love of Metal, a música, é uma declaração absolutamente verdadeira. E quem gosta de heavy metal tem que reverenciar Dee Snider. Mais uma vez.


Faixas
1. Lies Are a Business
2. Tomorrow’s No Concern
3. I Am the Hurricane
4. American Made
5. Roll Over You
6. I’m Ready
7. Running Mazes
8. Mask
9. Become the Storm
10. The Hardest Way
11. Dead Hearts (Love Thy Enemy)
12. For the Love of Metal

Músicos
Dee Snider – vocal
Charlie Bellmore – guitarra e baixo
Nicky Bellmore – bateria


Convidados especiais
Alissa White-Gluz – vocal (faixa 11)
Howard Jones – vocal (faixa 10)
Joey Conception – guitarra (faixa 6)
Tanya O’Callaghan – baixo (faixas 5 e 10)

Lançamento: 27/07/2018

Produção: Jamey Jasta
Mixagem: Nicky Bellmore (coprodutor)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *